segunda-feira, 7 de maio de 2012

A Menina que Roubava Livros

Já faz muito tempo desde a última vez que um livro me fez chorar. Uns 15 anos. Ontem, chorei outra vez.


Engraçado que demorei tanto para ler esse livro. Lembro-me de quando ele estava sendo super comentado e minha sobrinha o ganhou. Apesar de gostar muito de histórias da II Guerra, não quis ler, em grande parte, porque a Dani me disse que o livro era chato. No sábado, perguntei para ela a razão daquela opinião, e ela me disse que não gostou da forma como a história era narrada, com aquelas pausas, frases curtas e a Morte, a narradora, contando antes o que aconteceria apenas no fim.

Para mim, esta forma diferente de escrever foi o único detalhe que desagradou. A história é extremamente tocante e das histórias passadas durante a II Guerra que eu já li, foi a melhor. Uma história narrada pela Morte, eu ainda não tinha visto. 

Uma história passada durante a guerra, mas que tem seu foco não em um campo de concentração, ou num esconderijo sujo, não no front de batalha... mas em uma ruazinha com nome de céu, em um bairro pobre, numa pequena cidade alemã.

Liesel é uma garota de 11 anos sendo levada para um lar adotivo. No caminho, seu irmão morre e, durante o enterro, ela comete seu primeiro roubo. Um livro derrubado na neve. Logo pensei que o lar adotivo seria aquele modelo padrão de sofrimento e maus-tratos. Mas não. Seu pai adotivo a ensina a ler, e assim começa sua relação de amor com os livros. No decorrer da história, ela vai roubar vários outros livros, e estes serão seu maior tesouro.

O livro é cheio de cenas do dia-a-dia dos moradores da Rua Himmel e de momentos marcantes.Tenho certeza de que nunca vou esquecer algumas coisas como a Morte dizendo que “tem aquela questão das 40 milhões de almas que eu levei, mas isso já está virando um eufemismo”. Ou quando Max pintou as páginas de Mein Kampf e sobre a tinta, e mais ainda, sobre as palavras de ódio, escreveu a história da amizade entre um judeu e uma menina alemã. Quando Liesel e Rudy deixaram migalhas de pão espalhadas pelo caminho dos prisioneiros judeus, e claro, quando Liesel lia enquanto estavam no abrigo durante os bombardeios.

Durante a leitura me lembrei de um texto da Lya Luft que li há tanto tempo. Ela dizia que "somos anjos montados em porcos". Esse livro me fez pensar e repensar essa frase. Realmente, os seres humanos são capazes de enormes atrocidades e de gestos de grandeza. 

E então eu chorei. 

Já disse aqui que, quando algo me toca demais, tenho dificuldade em expressar esses sentimentos. Esta é a resenha mais difícil que eu já fiz, porque ainda há um nó na minha garganta após o fim da leitura, e as lágrimas, enquanto eu escrevo, embaçam meus olhos.

Então, para nós que amamos os livros, esta é uma história linda, de amor, amizade e de como os livros podem ser redentores!!!

Beijos,
Boa leitura...
Fefa Rodrigues

6 comentários:

CMachado disse...

Olá Fefa bom dia!!
Gostei muito desse livro e é bem triste mesmo, não mais que o Diário de Anne Frank... Por falar nisso já leu?

Fefa, terminei a (re)leitura do Rei Arthur do Allan Massie, apesar de muitos não gostar do rei Arthur do Allan, eu amei... inclusivo o livro ta marcado a lápis.

Já soube do lançamento do 6°livro das cronicas saxônicas do BC?

Estou terminando o primeiro das Brumas de Avalon, amei ler pelo lado feminino a história do Arthur...

Bjk e boa leitura!!

CMachado disse...

Fefa, bom dia!!
Escrevi tudo de novo, pois acho que não consegui enviar o comentário.

Esse livro é muito bom e triste mesmo, não mais triste que O Diário de Anne Frank, por falar vc já leu?

terminei a (re)leitura de Arthur do Allan Massie, muitos não gostaram do Arthur do Allan, eu amei esse livro!

Agora estou terminando, o primeiro das Brumas de Avalon amei ler pelo lado das mulheres a história de Arthur!

bjks
e boas leituras

Fefa Rodrigues disse...

Orquidea, eu não conheço essa versão do Artur que vc comentou!!! É boa???

EU li o Diário de Anne frank há tanto tempo!! Acredito que tinha cerca de 15 anos... engraçado como sempre me interessei pela II Guerra... lembro que a eu era bem nova mesmo, acho que não mais de 10 anos, e eu tenho um tio que é professor, a casa dele é cheia de livros, então um dia disse pra ele que queria ler algo sobre a II Guerra... e ele me disse "vc ainda é muito nova pra isso... esse assunto é pesado!" Melembro perfeitamnte desta cena da minha vida hehehe...

Bem, é muito trsite mesmo... vc ja leu um que se chama O Refúgio Secreto? É muito bonito e triste tbm

O CB do blog Sol de Austerlitz me fez uma lista de recomedações para leitura sobre a II Guerra, pretendo adquirir alguns e ele sugeriu o DIário tbm... ehehe é um clássico, não é?

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Fefa!

Eu te disse que você ia gostar do livro. É lindo mesmo, mas eu já gostei desse jeito diferente, ads pausas e ad narração da Morte. Me emocionei muito também,mas não cheguei a chorar. Os olhos ficarma molhados, mas as lágrimas não escorreram. Mas o que achei mais legal foi a mudança de foco. A gente sempre lê sob a perspectiva dos judeus, e este, do ponto de vista dos alemães que eram contrários ao nazismo e também sofreram horrores é bem interessante.

O Diário de Anne Frank também é muito bom, eu já li umas duas vezes também.

Olha, na verdade, eu escrevi para dizer que, por sua causa (rs!) eu estou lendo o primeiro da Irmanadade das Adagas Negras. Estou gostando, é bem diferente do que a gente está acostumada (bem picante ;D), mas a leitura é gostosa. Já li umas 150 páginas, e acho que até o final da semana eu termino. Depois te falo mais.

Beijos!

Nerito disse...

Olá, Fefa! Eu concordo com a Fê, também gostei muito da maneira como o livro foi narrado. Foi um dos livros mais afetivos que já li.
Eu estava esperando você terminar a leitura para comentar o que achou, porque poxa, você é uma das melhores leitoras que conheço.

Abraço!

Ah, tem uma resenha no meu blog sobre "A menina que roubava livros", só que a minha é bem pequenina. Ah, e a história do livro que o Max faz pra Liesel é realmente linda né?

mundo da lua disse...

Oi estou lendo e adorando este livro a forma que ele é narrado é diferente, mas não é ruim.