quarta-feira, 27 de março de 2013

Série The White Queen

Olha que interessante, estava dando uma olhada no blog O Diário de Ana Bolena, que por sinal é uma das minhas leituras preferidas, e vi que o livro A Rainha Branca, que eu acabei de postar a resenha ali embaixo, está se tornando uma série de TV, feita pela BBC em 10 episódios!!!

Não vejo a hora de começar a passar!!! Viva os romances históricos transformados em série para nosso deleite!!! :o)

Dá uma olhada aqui para saber mais!!

Ai que delícia, amanhã estou de folga, com esse super feriadão alongado!!! Pretendo dedicar várias horas a leitura e a fotografar algumas atividades religiosas que vão acontecer na cidade!! Estava mesmo precisando de uma folga!!!

Beijos,
Fefa Rodrigues



terça-feira, 26 de março de 2013

A Rainha Branca – Philippa Gregory


Este livro foi meu primeiro contato com essa escritora de romances históricos que sempre tem como foco a monarquia da Inglaterra (aliás, há alguma fonte mais proveitosa do que a história da Inglaterra para nossos amados romances históricos?). Claro que, sendo o Cornweel o escritor de romances históricos mais lido por mim, ele acaba sendo o ponto de comparação, então fui para esse romance tendo os dele como comparativo.



Vou resumir a história antes de fazer meus comentários sobre o livro. O romance começa com Elizabeth Rivers, uma mulher belíssima e que teve seu marido morto na guerra entre os York e os Lancaster, parada junto a estrada, aguardando Eduardo York, que acabou de tomar para si o trono da Inglaterra. Apesar de sua família ser lancasteriana e seu marido ter morrido lutado pelos Lancasters, ela espera conseguir o favor do jovem rei para retomar sua herança, já que sua cobra, quer dizer, sua sogra, se apossou de suas terras. E é assim que ela conhece o lindíssimo Eduardo e, com sua beleza, inteligência, malícia e um toque de mágica conquista seu coração.

Os dois se casam em segredo e, quando Eduardo retorna de sua campanha vitoriosa, retoma Elizabeth, porém, seu casamento com ela até então era segredo e nem seus conselheiros mais próximos sabiam disso. Esse casamento contraria as expectativas de Warnick, seu mentor, que pretendia casar o rei com uma princesa francesa. Elizabeth então vai para a Corte e começa a “ajeitar” a vida de sua família, o que gerea ciúmes de muitas famílias mais tradicionais do que a dela. Além da antipatia de muitas das famílias mais importantes, Warnick acaba traindo o jovem rei e se unindo a Margareth d'Anjou, a francesa esposa do Rei Henrique e que foi deposta juntamente com seu marido pela casa York. Ou seja, as guerras pelo trono recomeçam, e então passamos a acompanhar os quase vinte anos de união de Eduardo e Elizabeth e suas lutas para manter o trono, garantir a segurança de sua família, a paz do no país e gerar herdeiros.

Já nas primeiras páginas do livro eu me apaixonei. Me apaixonei por Eduardo, e por Elizabeth e por sua mística mãe, Jacqueta. Estava adorando a história, torcendo para ele voltar da guerra e os dois ficarem juntos, mas, quando isso enfim acontece, achei que as coisas começaram a ficar muito monótonas. Isso porque, em meio a tantas batalhas e guerras, a gente só acompanha Elizabeth e sua vida na corte, e como a vida dessas mulheres era sem graça!!!

Então, para nós que estamos acostumados com sangue jorrando para todo lado nos livros do Cornweel, com batalhas, paredes de escudos e flechas disparadas por exímios arqueiros, ficar ao lado dessa rainha, em frente a lareira, aguardando notícias do campo de batalha é muito sem graça, por isso é que, para mim, essa fase do livro deixa a desejar. Achei que faltou um pouco de “fantasia” cobrindo as lacunas da história, um “recheio” para a realidade sem emoção. Acredito que é o que Cornweel teria feito, criado algo que tornasse esses dias interessantes, algo que os livros de história não contam. É verdade que no livro, por duas vezes Elizabeth consegue influenciar a batalha com seu "poder" sobre a ação da água, mas é coisa pouca. Podia ter mais ação. 

Outro ponto que eu percebi é que esse é um romance para mulheres. Acredito que, dificilmente, um homem vai gostar de ver a história pela ótica feminina e, nós mulheres que gostamos de ação e de emoção, também acabamos achando meio água com açúcar. Por isso que eu acho que faltou um pouco de “intrigas palacianas” e de fantasiar com os personagens e com os acontecimentos históricos... talvez um toque de ousadia tivesse deixado as coisas mais interessantes.

Mas então o Rei Eduardo, após conseguir consolidar seu trono, depois de sair invicto de todas as batalhas que lutou, morre de febre, deixando dois filhos herdeiros, Eduardo, príncipe de Gales, com 12 anos e Ricardo, com 5 anos, além de seu irmão que quer ser rei, também chamado Ricardo, e que foi nomeado pelo Rei Eduardo, em seu leito de morte, como guardião do príncipe. Tem também outros dois pretendentes ao trono da Inglaterra, o Duque de Buckingham e ninguém menos que Henrique Tudor, que está exilado na Bretanha desde a infância, mas que, juntamente com a mãe, está só esperando o momento para retornar e tomar o trono.

Ricardo, o tio, na maior “trairagem”, sequestra o Príncipe Eduardo e o prende na Torre de Londres,  consegue que o Parlamento declare que o casamento de Elizabeth e Eduardo foi obra de bruxaria e que não tem validade e que seus filhos, portanto, são bastardos, o que o torna o herdeiro do irmão e enquanto viaja pela Inglaterra afirmando seu reinado, Elizabeth se refugia na Abadia de Westeminter com suas cinco filhas e com o pequeno Ricardo, e de lá tenta organizar a oposição ao falso rei. E é ai que a história começa a ficar mais interessante, mais emocionante, porque a partir dai a gente acompanha sua ação, mesmo de dentro da abadia, para tentar derrubar Ricardo e restaurar o Príncipe Eduardo.

A partir dai, já estamos nas últimas 100 páginas do livro, mas a história fica muito emocionante e o livro acaba bem na hora em que Elizabeth tem tudo em suas mãos para restaurar o poder de sua família. Como é um romance histórico, a gente já sabe como algumas coisas vão terminar, mas a deixa final torna irresistível a leitura do segundo volume que, até onde eu sei, ainda não foi publicado. 

Então, amigas e amigos, eu posso dizer, ao final da leitura, que foi um livro que eu gostei muito, apesar desses pontos levantados e que, para quem ama história, é uma delícia de ler. Então coloco ele como dica de leitura!!! Gostaria de uma opinião masculina quanto ao livro, para avaliar se eu estou certa em afirmar que é um livro que vai agradas as mulheres.

É isso ai gente, agora minha leitura será Agosto, do Rubem Fonseca, um romance histórico sobre os últimos dias de Getúlio Vargas. O livro é pequeno e com esse feriado pela frente, acredito que vou ler bem rápido.



Beijos e boas leituras...
Fefa Rodrigues

sexta-feira, 22 de março de 2013

Citando

Ontem reli pela centésima vez o famoso discurso do pastor Martin Luther King, conhecido como I have a dream, empolgada, me lembrei de uma revista que tinha comprado e ainda não tinha lido e que falava sobre a Madre Teresa, então fui ler um pouco sobre essa mulher sublime e, é engraçado como essas pessoas nos inspiram, não é?!

Então, ainda com as palavras dessas duas pessoas excepcionais em mente, hoje de manhã visitei o blog do pastor Ricardo Gondim e achei, entre os ótimos textos dele, esse trecho que vou transcrever:

“Boníssimo,
Transforma arenas em prados;
Trincheiras em hortas;
Tanques em tratores;
Brados de guerra em canções de ninar.
Refresca a lembrança do justo com o que pode trazer esperança;
Ressuscita sonhos precocemente mortos no coração de jovens;
Re-escreve em tábuas de carne a utopia do cordeiro e do leão deitados na relva;
Para o sol da justiça no meridiano até que haja cura entre as nações.
E que vivamos em paz.”

                                                                   - Ricardo Gondim -

Para ler o texto completo e outros textos dessa mente privilegiada, clique aqui.

Beijinhos e ótimo fim de semana.
Fefa Rodrigues

PS: quase terminando A Rainha Branca, segunda-feira eu posto a resenha!!!

sábado, 9 de março de 2013

Novos

Oi gente, meio sem tempo para postar aqui, pois estou escrevendo um artigo científico à convite do meu orientador na pós, por isso nem fiz a tag que a Fê, do Na Trilha me indicou. Então, passei rapidinho só para  mostrar minhas mais novas compras livristicas!!!





E então, alguém já leu um deles??? O que acharam da leitura??? 

Aumentando minha humilde biblioteca!!!

Beijos,
Fefa Rodrigues

domingo, 3 de março de 2013

Selinho

Nada melhor do que começar a semana com carinho, né?? Recebi esse selinho da Fê, do Na Trilha dos Livros. Sempre fico muito contente quando recebo um selinho e me lembro de quando comecei o blog e achava super legal ver os outros blogs que eu seguia recebendo selinhos!!! Gratificante!!!

Obrigada, Fê!!!:o*


Agora vamos às regras:

1. Exibir a imagem do selo no blog;

2. Linkar o blog que te indicou: Na Trilha dos Livros;

3. Escolher 10 blogs para receber o selo;











4. Deixar um comentário nos blogs escolhidos.


É isso aí, beijinhos e ótima semana a todos!!!

Fefa Rodrigues




O Príncipe da Névoa - Zafón

"Num universo infinito, havia muitas e muitas coisas que escapavam à compreensão humana."

"As lembranças ruins perseguem você sem que tenha que carregá-las consigo"

Eu amo as histórias do Zafón!! É engraçado como as histórias dele me lembram coisas que eu sempre gostei, desde crianças, coisas que sempre me atraíram, como cemitérios, casarões abandonados e histórias sinistras e os mistérios que envolvem esses lugares. E, novamente, não me decepcionei com esse livro que é, na realidade, o primeiro que ele escreveu para participar de um concurso literário de romances para o público infanto-juvenil. Livro bem pequeno, por sinal.

São apenas 180 páginas para contar a história de Max, um garoto de 13 anos que, fugindo da guerra, se muda com a família – pai, mãe e duas irmãs, para o litoral. Assim que eles chegam a pequena cidade, Irina, a irmã mais nova, adota um gato negro de olhos amarelos com um olhar sinistro. No segundo dia na cidade, coisas estranhas começam a acontecer e Max, e sua irmã Alicia, Roland, garoto da cidade que se tornou amigo dos dois irmãos, descobrem um estranho jardim de estatuas nos fundos da casa, descobrem também que os antigos moradores do local tiveram um filho, que morreu afogado na praia em frente da casa.

Os acontecimentos estranhos como vozes que saem do fundo de um guarda-roupa, pesadelos com um palhaço com dentes de lobo, e um estranho acidente com a pequena Irina parecem estar de alguma forma ligados a história de Orfheu, um navio que naufragou naquela baía e, claro, com a morte do pequeno Jacob.

Como é uma história curta, não dá para entrar em muitos detalhes sem “falar de mais”, e, exatamente por se um livro curto e cheio de mistérios é coisa para se ler em um dia, no máximo dois (Acredito que a Fê, do Na trilha, vai ler em menos tempo até!!).

Li tudo do Zafón que foi publicado em português e não teve um livro que não valeu a pena a leitura!!!

Agora, apesar da forte vontade voltar a Westeros, decidi ler A Rainha Branca, primeira vez que leio algo de Philippa Gregory, mas acho que vou gostar!!!!

Beijos e boas leituras!!!
Fefa Rodrigues