terça-feira, 27 de março de 2018

Nunca mais verei teus olhos





"A insanidade é fascinante."

Ah! Meu amor, como é triste saber que nunca mais verei teus olhos novamente.

Como me dói a certeza de que não mais sentirei seu olhar passeando pelas curvas do meu corpo nu depois de nos amarmos como em tantas manhãs em que passamos juntos.

Lembro-me da primeira vez em que te vi e soube que te amaria para sempre.

Você me desejou e eu me entreguei sem medo.

E fiquei ao seu lado em todos os momentos desde então.

Eu estava lá para cuidar de você, para te fazer feliz e para que pudéssemos permanecer juntos para sempre.

Não é isso que se faz quando se ama?

Mas, sem qualquer razão, tudo que havia entre nós começou a mudar.

De repente já não havia amor em seu olhar, não havia sequer desejo e eu comecei a ver apenas o desdém que aos poucos foi se transformando até se tornar desprezo e, em algum momento, você deixou completamente de me ver.

E quando isso aconteceu você se foi e me deixou sozinha.

Apesar de tudo que fiz por você, de tudo que fiz por nós, apesar de toda minha entrega você simplesmente se foi, sem qualquer explicação.

Mas eu não desisti.

Não! Eu jamais poderia desistir, afinal, você era o amor da minha vida.

Eu não te deixaria, pois mesmo que você não conseguisse perceber, você precisava de mim ao teu lado.

Ninguém te daria o que estava disposta a dar, ninguém te faria feliz ou te amaria como eu.

Você estava apenas perdido, confuso, precisando ser encontrado e cabia a mim, somente a mim, te encontrar.

Então eu te segui e fui o mais longe que alguém é capaz de ir para te salvar de sua loucura, mas, quando te encontrei você me olhou nos olhos e disse que havia encontrado outra boca para beijar, outro corpo para amar e me mandou embora.

Toda a razão que eu tinha para viver se dissipou e eu soube que não poderia continuar.

Naquele exato momento você me destruiu e, apesar disso, meu único desejo é que você saiba que eu nunca te esquecerei, pois a lembrança de seus olhos incrédulos me olhando enquanto eu extraia com delicadeza o punhal que acabara de cravar em seu peito jamais me deixará.

- Fefa Rodrigues -

Nenhum comentário: