terça-feira, 10 de setembro de 2013

Lições e citações de O Inverno do Mundo

Eu gosto de marcar frases interessantes dos livros, e tomei esse costume depois que ganhei umas fitinhas transparentes e autocolantes de uma super amiga querida. Adorei a ideia porque, além de não estragar o livro com caneta marca texto, as fitinhas são uma graça e veio um montão no pacotinho.

Bem, devaneios à parte, vou postar algumas citações do livro o Inverno do Mundo do Kenn Follett. A resenha dele está logo abaixo se alguém que ainda não leu se interessar!!!

Essa primeira anotação me fez lembrar dos episódios de protestos a alguns meses atrás. Os protestos tinham sim legitimidade, mas é de se pensar a quem interessava a violência e a quem interessava as medidas que foram sugeridas a partir dos protestos, especialmente medidas que contrariam a nossa Constituição e nosso Estado Democrático de Direito.

A literatura é uma mestra, e a através da história nos ensina muito. O Inverno do Mundo é uma aula de política, e conhecer mais sobre política, em seu sentido original, é essencial para podermos discernir sobre o que está certo ou não, e para evitar sermos manipulados.

A história é uma repetição, por isso é uma fonte de aprendizagem indispensável.

"- Porque os fascistas querem violência? - indagou Ethel; era uma pergunta retórica. - Aqueles rapazes lá fora podem ser simples arruaceiros, mas alguém os está dirigindo e suas táticas têm um objetivo. Quando há briga nas ruas eles podem alegar que a ordem pública foi violada, e que é preciso tomar medidas drásticas para restabelecer a lei. Essas medidas de emergência incluem banir partidos democráticos como o nosso, proibir a ação dos sindicatos e prender pessoas sem julgamento, homens e mulheres como nós, cujo único crime é discordar do governo. Isso por acaso lhes parece uma fantasia improvável, algo que jamais poderia acontecer? Bem, foi exatamente a tática que eles usaram na Alemanha e funcionou".

Gostei especialmente desse pequeno trecho que me fez pensar em tantas pessoas que simplesmente preferem dizer que não gostam de política:

"- Você não era desse jeito, antigamente jamais discutiria política!
- Se você não se interessa, o que acontece é culpa sua"

Nessa próxima citação, Carla e seu pai acompanham um pastor protestante em busca de informações no que eles descobriram ser um centro para "eliminação de pessoas inúteis", ou seja, de pessoas com deficiências. O que me chamou a atenção foi que esse personagem agiu a forma que eu acredito ser a essência do cristianismo que é a luta por um mundo melhor, pelo "venha o Teu Reino".

"- O Senhor pode não responder, é claro - disse Ochs em voz mais baixa - Mas um dia uma autoridade superior vai lhe fazer a mesma pergunta. Na verdade, a maior autoridade de todas. - Ele esticou o braço e apontou um dedo acusador - E nesse dia meu filho você vai responder."

E, já no final do livro, um trecho que me abriu mais os olhos com relação a toda questão envolvendo o "motivo pelo qual a Alemanha aceitou o nazismo":

"Erik cantava com sinceridade a letra da música. Apoiava o regime soviético da mesma forma cega com que havia apoiado os nazistas. De início isso havia provocado em Carla incompreensão e fúria, mas ela agora via uma lógica triste no fervor do irmão. Erik era uma daquelas pessoas inadequadas cujo medo da vida era tão grande que preferia viver sob uma autoridade dura, ter um governo que lhes dissesse o que fazer e o que pensar, e que não permitisse nenhuma dissidência. Eram tolas e perigosas, mas havia muita gente assim."

Para mim essa mesma tolice está em toda forma de manifestação intolerante e fundamentalista, que não aceita e não respeita a diferença, como disse o autor, isso é um grande perigo, mas infelizmente, ainda há muita gente assim.

É isso ai, livros nos divertem, mas também nos fazem pensar, não é?!?

Beijos
Fefa Rodrigues


3 comentários:

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

É, Fefa.

Eu acho que você leu esse livro na hora certa, não podia ser mais perfeito. E você tem razão, sim, levanta muitos questionamentos, e a gente aprende muito assim.

Beijos!

Na Prateleira disse...

Amei a post, gostei da ideia das fitinhas como elas são?!! napratheleira.blogspot.com.br

José Aurélio Paschoal disse...

Simplesmente maravilhoso este livro...Tanto este como Queda de Gigantes...E para você, parabéns pelas observações. jap@gpmais.com.br