quinta-feira, 5 de julho de 2012

Para o bem da minha saúde mental...

Para o bem da minha saúde mental, trouxe de casa meu fone de ouvido e pedi pro mocinho do CPD acertar o som do meu micro. Agora estou a salvo de músicas sertanejas, vaneras, pagodes e afins... minha saúde mental agradece e, para comemorar minha libertação, posto a letra de uma música que eu amo:

A Felicidade

Tristeza não tem fim
Felicidade sim
A felicidade é como a pluma
Que o vento vai levando pelo ar
Voa tão leve
Mas tem a vida breve
Precisa que haja vento sem parar
A felicidade do pobre parece
A grande ilusão do carnaval
A gente trabalha o ano inteiro
Por um momento de sonho
Pra fazer a fantasia
De rei ou de pirata ou jardineira
e tudo se acabar na quarta feira
Tristeza não tem fim
Felicidade sim
Tristeza não tem fim
Felicidade sim
A felicidade é como a gota
De orvalho numa pétala de flor
Brilha tranquila
Depois de leve oscila
E cai como uma lágrima de amor
A minha felicidade está sonhando
Nos olhos da minha namorada
É como esta noite
Passando, passando
Em busca da madrugada
Falem baixo, por favor
Prá que ela acorde alegre como o dia
Oferecendo beijos de amor
Tristeza não tem fim


                                            Tom Jobim 

Beijos;
Fefa Rodrigues


2 comentários:

CMachado disse...

Nem me fale amiga...
Nem te falo que aqui é fank e pagode direto...
Maravilha essa música!!
Fefa, a sua organização de leitura me deixou a pensar...
Vou te imitar (rsrs)
Vou encaixar uma releitura.

Olha, não gosto de romance moderno, somente dos da Jane Austen, em termos de meloso entende? Pois as coisas são mais sutis os modernos a gente vive ele né, em nós, nossos filhos e sobrinhos...

Pois é, mas, como não sou radical em nada de vez enquando dou uma hipótese a certos livros.

(Esse hipótese é dos nossos irmãos portugueses). Como assim? (rsrs)
Continuando... terminei o livro da Jojo Moyes (A Última Cartas de Amor),até que gostei...
Bjk
e boas leituras

Tais Oliveira disse...

HOO..Fefezinha...achei que você curtia..Camaro amarelo..hahah...brincadeira...desculpe se te torturei muito :(

Beijos

Taís