sexta-feira, 13 de julho de 2012

O dia em que a Terra se enche de Azar

Hoje é sexta-feira 13, um dia cheio de superstições, não é mesmo?!?! E você sabe a razão pela qual este dia é considerado o dia do azar?? Uma das razões é o fato de ter sido exatamente em uma sexta-feira, dia 13, que, observando a bula do Papa Clemente V, o Rei Felipe de França ordenou a destruição e morte - na fogueira, para a maioria deles - de todos os Cavaleiros Templários. 


Acredito que a maioria sabe que os Cavaleiros Templários ou Cavaleiros do Templo, foi uma ordem religiosa e militar fundada por volta do ano do nosso Senhor de 1096 e que tinha como finalidade proteger os peregrinos cristãos que iam até a Terra Santa, o que se tornou possível após o fim da primeira cruzada, e a conquista do lugar pelos cristãos. 

A princípio, os poucos cavaleiros que a fundaram, fizeram voto de pobreza e passaram a viver nas ruínas do Templo de Salomão. Com o passar dos anos, a ordem se tornou tão forte e tão rica quanto qualquer rei da cristandade, ou melhor, muito mais que qualquer um deles, até mesmo mais rica que o próprio Papa. Logo, a ordem passou a emprestar dinheiro a reis e nobres, que precisavam manter seus exércitos no oriente, e se tornou algo como um grande banco que tinha a maioria dos soberanos nas mãos, além de ser dona de muitas propriedades espalhadas por toda a Europa. Os Templários se tornaram uma grande potência, e passaram a ser temidos.

Há quem acredite e defenda (e eu adoro acreditar no mesmo), que os Templários encontraram os tesouros do Rei Salomão, não só outro e prata, mas toda a fonte de seu conhecimento e, a partir de então, passaram a ser os protetores tanto do tesouro em si, mas, principalmente do conhecimento o que os tornou ainda mais fortes e essa foça começou a incomodar a realeza que estava extremamente endividada com a ordem depois de tantas lutas no oriente que a ideia de acabar com os Templários e confiscar seus bens começou a parece um ato santo e de inspiração divina. 

Não demorou para que o problema fosse resolvido ao melhor estilo Idade Média. Por meio da Bula Pastoralis praeeminentiae, o Papa Clemente V condenou - sem provas, diga-se de passagem - os Templários por heresia e sodomia e o Rei Felipe, pela graça de Deus, limpou a cristandade desse mal.  

Há quem dia que mesmo depois da ordem ter sido destruída, alguns Templários remanescentes continuaram pelo mundo, escondendo e protegendo seu grande tesouro, agora como Maçons. 

Eu, particularmente, gosto muito do assunto e, como já disse aqui uma dezena de vezes, costumava organizar uma gincana pra uma galera bacana demais, que a gente chamava de Piratas Urbanos nas versões que aconteciam aqui na cidade. Nós nos sentíamos verdadeiros arqueólogos e, na primeira delas, usei a ideia de Templários para criar a história e a pista que iniciou a brincadeira foi essa aqui:

Enquanto o peregrino do infiel protegíamos,
Muitos tesouros descobrimos,
Mas além de riqueza também encontramos
Saber, conhecimento e respostas
Para incontáveis enigmas e impressionantes mistérios.

Tanta riqueza e conhecimento
Nos deu poder e uma nova missão.
E tal poder tão grande era
Que foi capaz de em nossas mãos colocar,
Além de inúmeras coroas, o Barrete Santo.

Mas o ódio, o medo e a inveja
Daqueles que antes amigos eram,
Levaram-os a nos dizimar,
No dia até hoje maldito,
Quando a Terra se enche de azar,

E por toda a eternidade,
Quando a sexta o treze encontrar
Nossos assassinos serão condenados,
Por nosso sangue inocente
Injustamente derramar.


Mas o seu plano maligno não foi capaz de nos apagar,
Ainda que a superstição faça
Uma aura diabólica sobre nós pairar
Nossa missão continuamos a cumprir,
Mas por outro nome hoje nos conhecerá.

Fiéis a nossa missão,
Entre nossos assassinos sobrevivemos,
E sem que eles sequer percebam,
Nossas marcas entre eles deixamos,
Pois para sempre, nosso segredo guardamos.

Se realmente desejam, nessa busca continuar,
Encontrem a casa onde nossos assassinos se escondem
E quando lá estiverem, busquem com atenção,
Pois, se seus olhos forem abençoados por Aquele que tudo vê,
Então serão capazes de encontrar as marcas que seu caminho poderão iluminar.

Então, amigos, é isso ai. Para quem quer saber mais do assunto, indico o livro Os Templários de Piers Paul Read. Não é romance, é um livro que conta desde a formação da ordem até seu fim, dando destaque em capítulos específicos sobre Ricardo Coração de Leão e Saladino. Muito interessante!!


Ah, e tem outra coisa, hoje também é dia do Rock!!! Uhuu!!!



Beijos,
Fefa Rodrigues

Um comentário:

Julia & Carol disse...

Amei o que esta escrito do Dia do Rock, que isso hein o Rock n' Roll tá com a maior moral. KKK, Deus abençoe.